Dois “primeiros autores”: como citar?”

A identificação de dois ou mais autores principais, ou que todos contribuíram igualmente, tem trazido dúvidas sobre como fazer corretamente a citação desse material. Ao menos no Instagram do Jornada Acadêmica elas têm aparecido com frequência, por isso resolvi fazer esse post.

Antes de falar sobre a citação em si, precisamos entender a origem dessa dúvida. Meu palpite é que ela tem a ver com o CRediT, ou mais especificamente, como o desconhecimento de que ele existe. Vem comigo que vou te explicar melhor essa história!

Conforme a ciência avança, temos muito mais trabalhos colaborativos em andamento. Publicações em equipe se tornaram mais comuns, principalmente em determinadas áreas do conhecimento, porque a tecnologia e a internet amplificaram as possibilidades de parceria.

Fonte: Pesquisa Fapesp.

Agora pense nessa pergunta: que tipo de participação qualifica uma pessoa para receber a posição de autor em um manuscrito? A resposta é complexa, né?

Para tentar resolver a questão, foi criado o CRediT, que significa Contributor Roles Taxonomy. É uma taxonomia que lista 14 funções ou papéis que podem ser utilizados para identificar as contribuições de cada autor em uma publicação científica.

As funções atualmente listadas, em tradução livre do inglês para português, são:

  1. Conceituação
  2. Curadoria de dados
  3. Análise formal
  4. Aquisição de financiamento
  5. Investigação
  6. Metodologia
  7. Administração do projeto
  8. Recursos
  9. Software
  10. Supervisão
  11. Validação
  12. Visualização
  13. Redação – rascunho original
  14. Redação – revisão e edição

Você pode ver a descrição completa de cada papel da lista em: https://casrai.org/credit/

O CRediT chama todos esses papéis de contribuições acadêmicas, e não apenas de autoria, justamente para ampliar a identificação de pesquisadores envolvidos no estudo que não seriam reconhecidos utilizando critérios “tradicionais”. Desde que foi lançado, em 2014, o CRediT tem sido amplamente adotado por periódicos nacionais e internacionais.

De um modo geral, a taxonomia amplia a transparência das publicações científicas. Para os autores, significa obter reconhecimento e autoridade em funções ou áreas de trabalho, e até mesmo comprovar auxílios ou benefícios recebidos de agências de fomento.

Quando implantado no sistema de submissão dos periódicos, essa padronização de funções pode ajudar na integração entre plataformas (revista + DOI + ORCID, por exemplo), e permitir a análise automatizada dos diferentes papéis X pesquisadores que os ocupam, rastreando informações, contribuidores e funções. Para os editores, a disponibilização dos papéis também ajuda na resolução de casos de disputa de autoria.

Ok, Ju, entendi! E a citação?

Recapitulando: podemos ter pessoas com diferentes papéis, ou, o mais comum de aparecer principalmente nas sociais e humanas, autores que contribuíram igualmente para o artigo, e portanto, não apresentam diferenciação entre si.

O CRediT, no entanto, não fala sobre a apresentação da ordem de autoria no texto. Algumas equipes colocam os nomes em ordem alfabética, outras, atribuem pesos aos diversos integrantes da equipe. Ou seja: temos uma taxonomia de reconhecimento de diferentes papéis, mas continuamos apresentando as pessoas seguindo uma determinada ordem na primeira página do artigo. É essa ordem que impacta na citação, não a contribuição do pesquisador no estudo.

Isso porque quando estamos fazendo uma citação/referência, seguimos padrões que vem das normas bibliográficas ou documentais, como a ABNT, APA, MLA, Vancouver, Chicago, etc. São estilos de apresentação das informações que identificam um documento ou fonte que usamos em nossos trabalhos acadêmicos.

Veja que não estamos discutindo que autor é mais importante, pois mesmo que a norma que você utiliza mande citar apenas o primeiro nome, todos os autores do artigo receberão uma citação em sua publicação.

O CRediT serve para oferecer uma noção da complexa relação entre autores e suas contribuições, evidenciando os diferentes processos envolvidos na construção do artigo e transmitindo transparência a ciência. Ele ajuda na tomada de decisão sobre quem pode se tornar um autor de acordo com a contribuição ao estudo.

Já a citação em um padrão normativo ou outro serve para que você dê os créditos corretos ao trabalho que usou, garantindo que todos aqueles autores tenham impacto em relação ao artigo publicado, independente se para isso você mencione 1 ou 52 pessoas (depende da norma!).

Veja alguns exemplos retirados de artigos de periódicos:

Pelo menos por enquanto, o CediT segue tendo uma função, e as normas de citação e referência outra. No final das contas, são complementares.

Talvez daqui um tempo tenhamos uma integração entre todas essas coisas, mas por enquanto, sua preocupação deve seguir sendo mencionar a fonte de todos os estudos que utilizar, usando a norma mais comum na sua área ou a que o periódico/instituição pedir, e, para as suas próprias publicações, pensar em informar as contribuições de cada autor dentro dessa iniciativa internacional, contribuindo assim para uma ciência mais aberta e transparente.

Para saber mais:

doi: 10.1038/508312a
doi: 10.1087/20150211
doi: 10.1038/d41586-019-02084-8